terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Dor e sangue ao misericordioso Allah

Por Claudia Papp da Redação ANDA - Agência de Notícias de Direitos Animais

Diferentes contextos e tempos históricos carregam justificativas peculiares para as práticas de caráter religioso. Em nome de Deus (ou dos “deuses”, dependendo da crença), atos absolutamente irracionais são cometidos contra o próprio homem. Guerras (e os decorrentes assassinatos), submissões, torturas, mutilações e privações são alguns dos exemplos desses atos desvairados que, ainda assim, possuem alguma espécie de “fundamentação religiosa”.

Em relação aos animais não-humanos, as práticas religiosas não se processam de modo diferente. As religiões possuem variadas justificativas para a manutenção da exploração e do desrespeito ao direito à vida dos animais, como é possível constatar no terrível ritual de sacrifício praticado pelos muçulmanos.

O Eid-ul-Azha (“Festa do Sacrifício”, ou “Festa do Cordeiro”) é uma tradicional comemoração islâmica, a ser realizada durante o Hajj, que é a peregrinação a Meca (um dos cinco pilares do Islão). Milhões de animais, entre carneiros, bois, camelos e ovelhas, são sacrificados ao redor do mundo, numa referência a Ismael, que escapou de ser sacrificado por Abraão (seu pai) após uma “barganha divina”: Deus trocou Ismael por um carneiro.

Configurações culturais à parte (nem todo código cultural deve ser “respeitado às cegas”), a Festa do Sacrifício trata-se de um tenebroso modo de render homenagens a Deus (Allah). É uma celebração contraditória, pois não faz eco ao que Deus (o Deus em questão) inspira naqueles que nele crêem: a misericórdia, a justiça e o amor. Aliás, é interessante avaliar a contradição também presente no depoimento do bispo Dom Andrew Francis, que expressa suas aspirações acerca de uma das “edições” do Eid-ul-Azha: "(que) esta grande festa islâmica possa ser fonte de amor, fraternidade, reconciliação, harmonia e compreensão para toda a humanidade". “Amor”, “harmonia”, “compreensão”: eis algumas das aspirações do bispo que, certamente, não coincidem com as imagens abaixo.

1 comentários:

driadny disse...

que loucura isso...eu fico indignada...=/